O nosso corpo tem três corações!
Por Manuel Luciano da Silva, Médico

  O coração propriamente dito 
e mais dois nas barrigas das pernas
!

O coração humano é um motor extraordinariamente fantástico!

Tem quatro cilindros, quatro válvulas e uma bateria, tal qual o motor de um automóvel. Com 70 pulsações por  minuto o nosso coração bate mais de cem mil vezes em 24 horas!

Um homem de tamanho normal possui um garrafão de cinco litros de sangue. O seu coração é capaz, num minuto, com 70 pulsações, de fazer girar os  cinco litros de sangue por todo o corpo, completando assim a circulação total.

A distância da circulação humana é verdadeiramente gigantesca. Se juntarmos,   topo a topo, todas as artérias, capilares, veias e vénulas  do nosso corpo, ligadas umas às outras, obteremos um total de mais de cem mil milhas de vasos sanguíneos! Esta distância é igual a quatro voltas em torno da Terra ao nível do Equador! E o nosso coração é capaz de completar esta distância incrível -- a circulação total -- apenas num minuto!

  Tamanho: Qual é o tamanho do nosso coração? Quem quiser saber o tamanho do seu coração basta fechar a mão direita e olhar para o seu punho. O coração de cada pessoa é do tamanho do punho fechado dessa pessoa. Se abrirmos e fecharmos a nossa mão, 70 vezes por minuto e lhe juntarmos o barulho do coração "lâb-dâp" ... "lâb-dâp"... ficaremos com uma ideia exacta do trabalhar do nosso motor cardíaco. 

 F orça motriz  Qual é a força motriz do nosso coração? Se juntarmos a energia das pulsações cardíacas durante uma hora, o trabalho equivalente do coração seria capaz de levantar a um pé  de altura do chão, cinco toneladas! Quer isto dizer que se eu fosse capaz de juntar a energia do meu coração durante oito horas poderia levantar do chão, a um pé de altura, quarenta toneladas, isto é, igual ao peso da Pedra de Dighton ! E durante 70  anos se acumulássemos a energia total das contracções cardíacas  -- o coração seria capaz de elevar uma máquina de comboio à altura do Monte Evereste ou sejam oito quilómetros e meio de altura!!! Parece incrível, mas é verdade! 

William Harvey Foi em 1628 que o médico inglês, William Harvey, descobriu a circulação do sangue e a função do coração. Até essa altura acreditava-se que os alimentos se transformavam em sangue no coração, que as artérias estavam cheias de ar, etc.

Harvey formulou a circulação do sangue baseado num cálculo aritmético muito simples. Se o coração de um homem de 70 quilos, em cada contracção ejecta 60 centímetros cúbicos de sangue, num minuto, com 70 pulsações, o coração é capaz de impulsionar mais de  270 quilos de sangue numa hora, quase quatro vezes o peso da própria pessoa! Portanto só havia uma explicação óbvia: o mesmo sangue tinha que andar à volta, tinha que circular! A descoberta da circulação do sangue é um dos marcos mais importantes da Medicina.

Temos mais 2 corações  Se as estatísticas sobre o coração são deveras impressionantes, temos que notar que o coração é assistido na circulação total por mais dois corações que são os músculos das nossas coxas e os músculos das nossas pernas!  Nos animais que andam em 4 patas o seu coração está ao mesmo nível de praticamente de  todo o corpo. Mas na raça humana o sangue circula bem, para baixo, para as coxas e para as pernas à custa da contracção do coração e da força da gravidade. Mas como é que o sangue sobe para voltar ao coração?

Devemos notar que o sangue quando sai do coração espalha-se por meio de artérias que se vão tornando cada vez mais fininhas (capilares) até o sangue quando chega ao nível das células quase não tem pressão sanguínea nenhuma. Depois começa a juntar-se em veias pequeníssimas (vénulas) que vão formar as veias cada vez maiores para trazerem o sangue de regresso ao coração.

O quintal  Suponhamos que nós temos um poço no quintal que tem um motor eléctrico para tirar água para regar os vegetais. O motor está ligado a uma mangueira comprida. Quando ligamos o motor, a água sai pela mangueira e regamos os tomateiros, as alfaces, as couves, etc. 

Quando estamos a regar, vemos que a água se infiltra pela terra.  Podemos imaginar que a água desce vagarosamente até regressar ao poço e estar pronta a ser novamente girada pelo motor eléctrico para podermos regar outra  vez o quintal. Com esta explicação facilmente compreendemos o que é uma  circulação. 

É o mesmo que acontece com a circulação do nosso sangue. Com a diferença de que a água regressa ao poço porque tem a ajuda da força da gravidade, porque vai para baixo, para um nível mais baixo, para um poço. Mas no nosso corpo o sangue tem que ir das pernas para cima! Como é que o nosso sangue consegue subir nas veias das pernas para regressar ao coração?

                               

Os músculos da barriga das pernas e os músculos das coxas contraindo-se, comprimem as veias profundas  de tal maneira que o sangue tem que ser impulsionado para cima porque as válvulas das veias  não permitem o sangue circule para baixo!

 Os corações das pernas  O nosso sangue consegue subir nas veias  profundas das pernas e das coxas à custa da compressão, da  força muscular dos membros inferiores. Quando caminhamos, os nossos músculos contraem-se, apertando, comprimindo as veias  profundas entre os músculos de tal modo que o sangue dentro das veias é como que esguichado para cima porque o lúmen das veias fica mais fino, mais estreito. E para que o sangue  não desça, não volte para trás com a força da gravidade, a Natureza colocou válvulas com palas  dentro das veias profundas  das pernas e das coxas,  mas que  só se abrem num sentido, para cima, quer dizer que o sangue não pode voltar para trás, para baixo. Com o caminhar o processo repete-se e assim a contração dos músculos das coxas e das pernas  funcionam como se fossem "músculos cardíacos" ou  "corações secundários dos membros inferiores"  a  impulsionar  o sangue para cima,  de regresso ao coração e ajudar a circulação total.

O aquecimento central das nossas casas, feito com água aquecida, tem dentro dos canos umas válvulas com palas que se abrem só num sentido para que a água  quente circule  só numa  direcção e assim complete a circulação! 

Pelas razões acima expostas  o melhor exercício para todos nós   é o caminhar. O bater do nosso  coração está sincronizado com o compasso dos nossos passos. 

Todos nós sabemos que quando estamos muito tempo sentados os nossos pés incham. 

Igualmente quando viajamos de avião as nossos pés e pernas têm tendência a inchar. Eu quando viajo de avião a atravessar o Atlântico (6 a 7 horas), de trinta em trinta minutos, levanto-me, seguro-me à cadeira da frente e marcho, marco passo, exactamente para "contrair os corações das minhas pernas" e quando chego ao meu destino não tenho os pés inchados.

As hospedeiras de bordo fariam um serviço médico extraordinário se recomendassem aos passageiros para que, de meia em meia hora, marcassem passo, vinte ou trinta vezes. 

Caminhar sentado  Todos os  passageiros num avião deviam  caminhar sentados. Como? Fazendo o  exercício  chamado -- Baloiço dos Calcanhares. Que  diabo é isso? Muito fácil.

Sentado numa cadeira  faça  o seguinte:

(1)   Levantar ambos as calcanhares. Quando fazemos isto sentimos os músculos da barriga das pernas e das coxas a contraírem-se. Estão a comprimir as nossas veias profundas e portanto a esguichar, a impulsionar  o sangue para cima.

(2)   Pousamos os calcanhares no chão. Assim as nossas veias enchem-se outra vez de sangue.

(3)   Agora levantamos os dedos dos pés, mas mantemos os calcanhares no chão. Outra vez sentimos que os nossos músculos da barriga das pernas e das coxas se contraem, fazendo esguichar, impulsionar  o sangue nas veias profundas para cima. 

(4)    Depois disto só temos que fazer a combinação dos mesmos exercícios, isto é, levantar os calcanhares, baixá-los, levantar os dedos dos pés, baixá-los, e assim sucessivamente, criando  portanto um movimento em baloiço dos calcanhares. 

Com este exercício é como se estivéssemos a tirar  água à nora, a impulsionar o sangue e os líquidos (linfa)  das pernas para cima à custa das contracções  dos músculos das pernas e das coxas,  que devido ás  suas contracções funcionam como se fossem verdadeiramente músculos iguais aos músculos do coração! 

Baloiço dos calcanhares Mas não é só no avião que devemos tirar vantagem do exercício -- Baloiço dos Calcanhares. Sempre que  estejamos sentados! E são muitos milhões de indivíduos que passam muitos milhões de  horas sentados a trabalhar ou a descansar. 

Portanto toda a gente, de dez em dez minutos deve fazer,  pelo menos dez vezes,  o exercício baloiço dos calcanhares!  Em casa a ver televisão,  no trabalho em frente a uma secretária ou a um computador, não esquecendo os residentes das  "nursing homes" ou lares de terceira idade.   

Com o exercício,  baloiço dos calcanhares,  além de evitarmos que os pés e as pernas fiquem inchados,  o nosso sangue oxigena-se muito melhor e evitamos também outra coisa muito importante:   o aparecimento de  flebites podendo originar coágulos sanguíneos causando tromboses ou rolhões nos pulmões que podem levar à  a morte! 

Portanto, caros compatriotas,  a minha mensagem médica de hoje é:  todos a marchar,   mesmo sentados,   como manda o Hino Nacional Português,-- mesmo que seja contra os canhões--  para gozarmos melhor saúde!

Amatus Lusitanus Quem  foi o cientista, o génio, que descobriu  as válvulas com palas  nas veias profundas das nossas pernas e das nossa coxas? Foi o português chamado João Rodrigues  ou Joã Roiz,  que nasceu em Castelo Branco, na Beira Baixa, em 1511. Era Judeu Sefárdico Português, médico praticante de cirurgia. Foi exilado por causa do decreto da Expulsão dos Judeus editado por  D. Manuel I em 1496. Tornou-se célebre por toda a Europa e em 1547, em Ferrara, Itália,  publicou com o pseudónimo de Amatus Lusitanus, o seu magnífico trabalho, descrevendo pela primeira vez no mundo, a existência das válvulas nas veias profundas  dos nossos membros inferiores! 

Varizes  O que são varizes? São veias dilatadas. Podem aparecer em qualquer parte do corpo, mas  as mais conhecidas são as hemorróidas (dilatação das veias àvolta do anus) e as varizes das pernas.

Nas veias das pernas,  quando as veias se dilatam,  as palas das válvulas são forçadas a afastarem-se uma da outra,  resultando por isso um espaço maior ou lúmen,  de tal maneira que o sangue em vez de ir para cima, com a contracção dos músculos das pernas,    vai para baixo, aumentando ainda mais a dilatação das veias!  Se a causa da varizes em certos casos é hereditária, sabemos que a gravidez  e certas ocupações que requerem muitas horas de pé podem agravar as varizes.  Para o seu tratamento há duas formas: profilático  e o  cirúrgico. O profilático consta do uso de meias elásticas durante o dia -- para diminuir o lúmen das veias  dilatadas --  e à  noite,  a colocação de dois  tijolo por  baixo dos  pés da cama,  para manter,  a cama levemente inclinada e assim permitir o esvaziamento das  varizes durante a noite sem afectar a comodidade de dormir. O tratamento cirúrgico consta da extirpação das varizes. Hoje é  uma operação fácil depois da qual o doente pode voltar a casa quase sempre  no mesmo dia.  As varizes superficiais nas pernas, que tanto preocupam as senhoras, duma maneira geral não têm importância nenhuma,  nem requerem tratamento nenhum.  No entanto a decisão final compete ao médico de família ou especialista.

Quero terminar este artigo pedindo à  D. Glória Melo da TAP Air Portugal para publicar este artigo na revista de bordo, ou então dar aos passageiros da companhia aérea  nacional portuguesa  uma cópia do esquema  do Exercício --  Baloiço dos Calcanhares --  para terem ainda uma viagem mais agradável nos aviões  da TAP Air Portugal.

 Baloiço dos calcanhares

(1) Sentar-se numa cadeira.

(2) Levantar ambos os calcanhares. 

(3) Baixar os calcanhares.

(4) Levantar os dedos dos pés, mas manter os calcanhares no chão. 

(5) Repetir: levantar os calcanhares,  baixá-los, levantar os dedos dos pés, baixá-los. Repetir sucessivamente.

Return