Origem e significado do nome Cristovão
Por Manuel Luciano da Silva, Médico

Na sequência da investigação sobre o navegador Cristóvão Colon vamos hoje com este artigo analisar a origem e o significado do nome Cristóvão. No próximo artigo analisaremos a origem e o significado do nome Colon.

Todos nós sabemos que foi Jesus Cristo o fundador, há dois mil anos, do Cristianismo, ou da Teologia Cristã, que tem tido e continua a ter um impacto enorme na história da humanidade. O nome Cristo tem servido de inspiração para a construção de magníficas obras de artes, pinturas, esculturas, igrejas, catedrais, poemas e obras musicais. O nome Cristo tem sido invocado, infelizmente, em muitas guerras religiosas. Mas tem sido usado também numa variada nomencleatura incluindo nome pessoal: Cristóvão.

Com este introito vamos fazer uma análise comparativa dos nomes Cristóvão em português e Christopher em inglês. Ambas as palavras são nomes compostos por duas partes: 'Cristo' mais 'vão' no caso português e 'Christ' mais 'pher' no inglês. Vamos verificar -- por muito estranho que pareça -- que tanto 'vão' como 'pher' são derivados do mesmo verbo latim 'fer'.

Qual é a origem etimológica das palavras: 'vão' e 'ferry'?

Christo+pher Colon --> Cristo+fer Colon --> Cristo+fõm Colon -->

è Cristó+vam Colon --> Cristó+vão Colon.

Sumário

Vamos ver que 'fer' é derivado da raiz do verbo latino 'fero', formando o sufixo 'fõm' que evoluiu em português para 'vão'.

Por muito estranho que pareça o mesmo 'fer', derivado do mesmo verbo 'fero', nasceu a palavra em inglês 'ferry' que se usa em 'ferryboat' e que tem o mesmo significado de "vão"!

Assim 'vão' e 'ferry' tem a mesma mãe -- o verbo latino 'fero'.

-Span

-Ferry } são 3 palavras com o mesmo significado

-Vão

'Ferry' e 'vão' têm a mesma origem latina -- o verbo 'fer'

 

 

Esta é a Ponte de Mount Hope (Monte da Esperança) que liga Bristol a Portsmouth, no Estado de Rhode Island, E. U. A. Foi construida em 1929. Antes da ponte ambas as vilas eram ligadas por um ferryboat. Ainda hoje existe a Rua Ferry em Bristol que continua pelo vão da ponte e segue do outro lado, em Portsmouth, com o nome de Rua do Ferry de Bristol.

 

 

Viagem à Itália

Durante muitos anos prometi à minha mulher uma viagem a Itália. Finalmente a promessa foi cumprida em Julho de 1994. Passamos duas semanas encantadoras visitando Roma, Nápoles, Sorrento, Pompeia, Pisa, Pádua, Verona, Veneza e Milão.

Uma vez em Roma fomos à Biblioteca do Vaticano, para confirmar o conteúdo das duas Primeiras Bulas Papais de Alexandre VI, datadas de 3 e 4 de Maio de 1493, nas quais aparece escrito bem nítido o nome do navegador Cristofõm Colon.

Ambos os textos das mesmas Bulas estão escritos em latim. Era de esperar que o nome do navegador aparecesse escrito em latim: "Christopher Columbus", mas isso não acontece!!

Poderíamos esperar que o nome fosse em italiano uma vez que as Bulas foram publicadas em Roma: "Cristoforo Colombo", mas isso também não é!

Uma vez que as Bulas eram dirigidas aos Reis Católicos Espanhois o nome do navegador poderia estar escrito em espanhol, "Cristobal Colon", mas isso também não acontesse.

O nome "Cristofõm" é português, porque de todas as línguas que há no mundo só em português é que se usa um til por cima do "õ" para nasalar a vogal "o", como fazendo parte do ditongo "ão".

Análise do 'vão'Agora precisamos analisar como é que o vocábulo "fõm" se transformou no sufixo: "vão". Para compreendermos melhor o pensamento do verbo "fero", isto é, "levar, ou transportar através dum rio", temos que ir à mitologia grega e à tradição cristã contida no significado do nome São Cristóvão, o santo protector das boas viagens e que aparece em várias pinturas medievais como sendo o santo que leva sempre aos ombros o pequeno Cristo, ou Menino Jesus. Por isso o nome Cristóvão quer dizer só por si: "pessoa que leva Cristo', isto é, que espalha, que propaga Cristo.

Evolução fonética de fõm

Devemos agora analisar a evolução fonética de Cristofõm. Primeiro, como dissemos acima, Christo em latim passou para o nome português --> Cristo. A palavra "pher" transformou-se primeiro em "fer" e depois "fõm" (como aparece nas Bulas). Como aconteceu no português a muitas palavras o "f" foi mudado para "v", originando a forma "vam" usada até na carta do Rei D. João II, dirigida a Cristóvam Colon e datada de 20 de Março de 1488. Devemos notar que em português as palavras arcaicas terminadas em "om", ou "on " todas evoluiram para o ditongo "ão", consolidando a forma final em "vão", como vemos em Cristó+vão. Há enúmeros exemplos desta metamorfose fonética na língua portuguesa do latim para o português: constellation --> constelação; constrution --> construção, etc.

Dicionários

Vamos então deslindar mais a transformação de "fõm' em "vão", cá deste lado americano do Atlântico! Para compreendermos melhor a etimologia como é que de "fer" chegamos a "vão", temos que recorrer aos dicionários de: (1) latim-português, ao (2) dicionário da língua portuguesa, à (3) Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, (4) "The World Book Dictionary" e finalmente ao grande (5) Webster's Third New International Dictionary of the English Language Unabridged. Podemos juntar ainda o (6) Dicionário de Inglês-Porrtuguês. (7) Dictionary English-Spanish by Mariano Velásquez de La Cadena, Wilcox & Follet Co., 1948. New York.

(1) Dicionário de Latim-Português, por António Gomes Ferreira, Porto Editora, Lda., Porto, Portugal. Na página 469 lemos: Fero, fers, ferre, tuli, latum. v (verbo), tr. (transitivo). Levar, trazer. Na página 471 vemos: "fers, fert, segunda e terceira pessoa singular indicativo presente do verbo "fero". Portanto a palavra "Christopher", --> "Cristofer", ou Cristofõm, (como aparece na Bula Papal), é composta por "Cristo + leva", portanto trata-se de "uma pessoa que leva Cristo".

(2) Grande Dicionário da Língua Portuguesa, de António de Morais Silva, Confluência /Livros Horizonte, Volume V, na página 428 vemos: Vão: a parte situada entre os encontros de uma ponte, ou vão da ponte.

(3) Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. 40 volumes. Volume 34, página 157. primeira coluna: Vão: distância entre os encontros de uma ponte, ou vão da ponte.

Quer dizer que tanto o Dicionário da Língua Portuguesa assim como a Enciclopédia Portuguesa descrevem "vão" como sendo a parte essencial da ponte para se poder atravessar o rio, isto é, com a mesma definição contida no significado do verbo em latim "fere": levar, carregar , atravessar. Devemos notar também o significado de vão, "espaço vazio", isto é, o espaço entre os pilares da ponte, portanto o "vão da ponte".

(4) World Book Dictionary publicado pela World Book, na página 787 lá vemos "Ferry" que nos dá a seguinte informação: Ferry - v. t. - to carry (people, vehicles, and goods) back and forth across a river or narrow stretch of water. In Greek mitology, "Charon ferried the souls of the dead over River Styx" Notar as palavras "ferried over", transportar para a outra margem.

[Tradução: Ferry - verbo transitivo - para levar, carregar (povo, veículos e produtos), para lá e para cá, atravessando um rio ou uma porção estreita de água. Na mitologia grega "Charon transportou as almas dos mortos para o outro lado do Rio Styx". ]

(5) Mas se consultarmos o grande dicionário "Webster's Third New International" poderemos verificar na página 838, na segunda coluna, que a palavra "ferry" é também derivada do verbo latino "fero". Diz o dicionário: Fer com form - [F&L] fr. - fere ictionaty says: bear, carry -- more BEAR] : one that bears , <aquifer> <conifer>. [Tradução: "fero", derivado do latim ou francês, significando aguentar, carregar, levar aos ombros: um que leva (aos ombros), exemplos: <aquifer> <conifer>.

(6) Dicionário de Inglês-Português, Porto Editora, Porto, Portugal. Mais curioso ainda é vermos na página 296 a descrição da palavra "Ferry : barco de transporte através de rio ou lago, duma margem para a outra; local onde o rio ou lago pode ser atravessado de barco." Notar que esta definição é fornecida sem ter a combinação de "ferryboat", quer isto dizer que a palavra "ferry", só por si, porque é derivada do verbo latino "fero", contem toda a definição de "atravessar o rio ou lago"!

É de facto muito interessante irmos às entranhas da raiz do significado do verbo latino "fere" que quer dizer "carregar, atravessar" e verificar que está associado à definição de "vão" em português, que é a parte essencial duma ponte (doutra maneira não se pode atravessar o rio) e também o verbo "fere" ser a origem etimológica da palavra "ferry", cuja utilidade serve também para atravessar o rio ou lago!...

(7) Dictionary of English-Spanish. Vemos na página 238 a seguinte definição de Ferry: s. 1. Sistema ú organizatión para el transporte regular de pasajeros y mercancías por una extensión de agua de poca anchura. 2. Em embarcadero.[ Tradução: Ferry. Sistema ou organização para transporte de passageiros e mercadorias por uma extensão de água pouco funda. 2. Porto de embarque.

Palatalização

Sem hesitação nenhuma podemos concluir este artigo afirmando que ambas as palavras "vão" e "ferry" vêm da mesma mãe latina, o verbo "fere". Parabéns a ambas importantes palavras!

Com a descoberta original do nome do navegador Cristofõm Colon nas Bulas Papais podemos afirmar categoricamente, com certeza absoluta, que o navegador NUNCA foi Christopher Columbus, em latim, nem Cristoforo Colombo, em italiano! Sabemos que esta descoberta original irrita os adeptos da teoria italiana e muitos historiadores que passaram toda a vida a ensinar que o navegador nasceu em Génova e agora não tem coragem para aceitar as novas descobertas documentais! Tenham paciência paisanos: contra factos não há argumentos!

O nome verdadeiro do navegador era CRISTOFÕM COLON, como aparece nas Bulas Papais e portanto em português deve ser: CRISTOVÃO COLON.

Gosto muito de estudar a etimologia das palavras porque cada vocábulo tem por si uma história fascinante! Sem dúvida que a origem etimológica da palavra "vão" é de muita importância histórica! Oxalá esta análise sirva para estimular ainda mais pesquisas!

A metamorfose gramatical de "pher" para "fer" e depois para "fõm", seguindo-se "vam" e finalmente "vão" chama-se palatalização.

Return