Reumatismo dum corisco!
Por Manuel Luciano da Silva, Médico.

 

Reumatismo dum corisco!

- Qual é o reumatismo que ataca o homem, à falsa fé, como se fosse um raio fulminante, com dor atroz, na calada da noite?

- Qual é o reumatismo que ataca o homem, subitamente, com dor excruciante, como se fosse uma lança penetrante de ferro em brasa?

- Qual é o reumatismo que assalta o homem, que se julga saudável, com dor esmagadora, como se fosse a roda de um carro de bois que lhe passasse por cima dum pé?

- Qual é o reumatismo que causa dores horríveis como se fosse um cão danado que tivesse os dentes cravados no pé do homem?

- Qual é o reumatismo que ataca o noivo, em plena lua de mel, de madrugada, quando o galo canta, a anunciar o romper do dia?

É o reumatismo dum corisco! É o reumatismo gotoso! É a gota!


Qual é a origem do reumatismo gotoso?

São os cristais de ácido úrico, ou melhor os uratos de sódio (biurato monossódico) que se depositam à volta e dentro das articulações, com especial preferência para o dedo grande do pé. Os cristais de urato vistos ao microscópio têm a aparência de alfinetes ou pedaços de vidro aguçados a espetar por dentro a junta da articulação, causando, por isso, dores lancinantes e pungentes, a ponto do peso dos lençóis se tornar insuportável!

 

 

 

Os cristais de ácido úrico são como que vidros partidos ou agulhas a espetar dentro das articulações

 

 

 

Ácido úrico

De onde é que vem o ácido úrico? Das cinzas do nosso corpo! O nosso corpo é uma fogueira que está sempre a arder! É por isso que temos uma temperatura regulada de trinta e sete graus centígrados. Quando a fogueira do nosso corpo se apaga, esticamos o pernil, e o nosso corpo fica frio, como acontece à lareira quando o lume se apaga... Para acendermos o fogo de uma lareira podemos usar achas de várias madeiras, tais como, pinheiro, carvalho, castanheiro, sobreiro, eucalipto, etc. No final, teremos, conforme o tipo de madeira que usarmos, cinzas de pinheiro, de carvalho, de castanheiro, de sobreiro ou de eucalipto, etc. Se o nosso corpo é uma fogueira, também precisa de "achas" para poder receber energia. As "achas" do nosso corpo são os vários alimentos, tais como: hidrocarbonados ou açúcares, proteínas (a carne e o peixe), gorduras, vegetais e vitaminas. Como a madeira que arde e produz calor se transforma em cinzas, o mesmo acontece aos vários tipos de alimentos que produzem energia dentro do nosso corpo e que também se transformam em cinzas. Este fenómeno chama-se metabolismo.

Mas afinal quais são os alimentos que produzem cinzas de ácido úrico? São os alimentos ricos em purinas e ácidos nucleicos. E quais são eles? Os alimentos muito ricos em purinas são: as sardinhas, enchovas, fígado, pâncreas, timo, rins, miolos, ervilhas, feijões e o café expresso. Muito ricos em ácidos nucleicos: são as carnes vermelhas como de vaca e de porco, compostas por nucleoproteinas, que durante a digestão pela acção de fermentos específicos no intestino delgado (duodeno e jejuno), são transformadas em nucleótidos e nucleosídeos e finalmente em ácido úrico e uratos.

Sucede porém que o ácido úrico que resulta das cinzas da fogueira dos alimentos ricos em purinas ou ácidos nucleicos, são cinzas incompletamente ardidas! Praticamente todos os mamíferos, assim como o galo, as galinhas e as aves em geral, não têm reumatismo gotoso porque possuem um fermento especial, que a raça humana perdeu há muitos milhares de anos. Este fermento ou enzima chama-se uricase e é capaz de transformar as cinzas do ácido úrico em cinzas muito mais fininhas, isto é, em ureia, alantoína e anidrido carbónico, substâncias que são facilmente eliminadas pelos rins.

 

 

Vários aspectos da evolução da gota, quando não é tratada.

Mas como é que o nosso corpo elimina o ácido úrico? De duas maneiras: (1) os nossos rins não filtram o ácido úrico, como filtram a água, têm que fazer um esforço especial para excretar as cinzas do ácido úrico. Quando o ácido úrico sobe no sangue (hiperuricémia), os rins acabam por ficar cansados, resultando daí complicações renais.

(2) a outra maneira consiste, felizmente, em transformar, no intestino grosso, por meio das bactérias, uma grande parte do ácido úrico em cinzas mais fininhas: ureia, anidrido carbónico e alantoína, que se eliminam facilmente através das fezes ou da urina.

Quando varremos uma lareira o que é que acontece? Os móveis ou objectos que estão na sala ou na cozinha ficam cobertos de cinza, mas com o tempo, o pó da cinza vai para os cantos. Pois, acontece o mesmo com a cinza do ácido úrico que se vai concentrar nas articulações das extremidades, superiores e inferiores, isto é, nas mãos, nos cotovelos, nos joelhos e nos dedos grandes dos pés. Se o reumatismo gotoso se torna crónico a acumulação de ácido úrico ou de uratos formam caroços deformantes, chamados tofos, à volta das articulações. Nos casos mais avançados os tofos aparecem até, como carocitos, nos lobos das orelhas.

 

 

 

Caroços de ácido úrico ou tofos no lobo da orelha

 

 

 

 

Professor Egas Moniz, Prémio Nobel da Medicina, 1949. Notar os caroços de ácido úrico nas orelhas

 

 

 

 

O ácido úrico acumula-se também nos cotovelos e nos dedos

 

Gota

A razão porque se começou a chamar ao reumatismo gotoso, gota, foi porque no Século Treze, na Europa, acreditava-se (Dr. Radulfe) que as recaídas dramáticas e dolorosas desta doença eram devidas a um veneno que de gota em gota se acumulava dentro das articulações, causando os sintomas horríveis.

Foi há dois mil e quinhentos anos que o médico grego, Hipócrates, o chamado "Pai da Medicina" por ter separado a ciência médica da bruxaria, observou que os eunucos, isto é, os homens castrados ou capados, nunca apanhavam a gota. As mulheres podiam contrair a doença, mas muitíssimo raramente e só depois da mudança da vida ou menopausa. Verificou também que os homens passavam a estar sujeitos à gota, só depois da puberdade. Quer isto dizer, que o reumatismo gotoso está dependente dos androgénios ou hormonas masculinas.

O célebre Hipócrates declarou ainda mais: existe uma trindade, ainda hoje verdadeira, que pode desencadear um ataque de gota: (1) excesso de álcool, (2) excesso de carne e (3) excesso de sexo.

Através dos séculos a gota tem sido uma doença que tem atacado de preferência as pessoas ricas. Têm sido suas vítimas, reis, príncipes, e pessoas famosas tais como: o Imperador Carlos V, Filipe II de Espanha, Henrique VIII da Inglaterra, Luis XIV de França, Alexandre o Grande, Martin Luther, John Calvin, John Milton, Miguel Angelo, Benjamin Franklin, Francis Bacon, Charles Darwin, William Harvey, Isaac Newton, Professor Egas Moniz, o único português que recebeu o Prémio Nobel de Medicina e muitos mais.

Hoje, com a abundância de bife, de chouriço e bebidas alcoólicas, não é preciso ser-se príncipe para se apanhar o reumatismo dum corisco! Basta ser-se glutão, comer e beber como um alarve!

Álcool

Como é que as bebidas alcoólicas podem desencadear um ataque de gota? O álcool faz aumentar no sangue uma substância chamada ácido láctico que interfere com a excreção normal das cinzas do ácido úrico pelos rins, causando hiperuricémia ou aumento de ácido úrico no sangue, e daí o risco de ataque da gota. Mas o ácido láctico também aumenta no sangue quando há infecções, intoxicações, traumatismos (por exemplo: operações cirúrgicas), ou quando o homem faz exercícios musculares excessivos como pode acontecer na lua de mel... e daí, à falsa fé, zás, aparece um ataque de reumatismo dum corisco!


Pintura de John Trumbull da Declaração da Independência Americana em 4 de Julho de 1776, em Filadélfia. Notar John Hancock sentado na grande cadeira. De pé, da esquerda para a direita, os membros da Comissão que escreveu a Declaração: John Adams, Roger Sherman, Robert Livingston, Thomas Jefferson e Benjamin Franklin.

Para celebrar a assinatura da Declaração da Independência os Membros do Primeiro Congresso Americano beberam Vinho da Madeira e não champanhe!

Era um luxo e estava até na moda os Fundadores da América preferirem o Vinho da Madeira. O Presidente George Washington, como não recebia salário nenhum em ser presidente da América, (porque era uma grande honra ser presidente da novel nação), punha a despesa da compra do Vinho da Madeira, na "lista  da despesa do material de guerra!"...

Claro que naquele tempo os Fundadores não sabiam que o Vinho da Madeira agravava o reumatismo dum corisco!...

O famoso Benjamim Franklin sofreu de reumatismo gotoso durante muitos anos. Teve até ataques severos de gota. Mas como era um  filosósofo optimista resolveu  escrever  uma monografia  cheia de humor, intitulada  "The Dialogue with Gout", (O meu diálogo com a gota),  a qual  eu aconselho às pessoas que sabem inglês a lerem. 

Tratamento: Mas se o reumatismo gotoso é assim tão mau como é que se trata? Todos os homens que têm gota estão de parabéns, porque entre os vários tipos de doenças reumáticas, o reumatismo gotoso é a única enfermidade que com os medicamentos modernos se pode controlar completamente!

Primeiro: tem que se seguir uma dieta evitando os alimentos que são ricos em purinas e ácidos nucleicos, comer moderadamente e não abusar das bebidas alcóolicas nem do cafezinho.

Segundo: deve-se usar medicamentos que aumentem a excreção das cinzas do ácido úrico pelos rins (ácido salicílico pelo menos 5 gramas, probenecide e sulfinpirazone) ou eliminação pelos intestinos com a colchicine. Benjamin Franklin foi a primeira pessoa, há duzentos anos, que usou a colchicine, nos Estados Unidos.

Terceiro: usar medicamentos que evitem a fabricação excessiva de ácido úrico no nosso corpo. É assim que actua o allopurinol (Zyloprim) porque neutraliza a acção do fermento oxidade de xantina necessário para a transformação das purinas em xantinas e depois em ácido úrico. Não se formando ácido úrico não poderá haver ataque de gota.

Quarto: medicamentos anti-inflamatórios, como prednisona, e as anti-prostaglandinas, (tais como indomicina, naproxina, etc., agora há uma fartura deste tipo de medicamentos), que reduzem o inchaço avermelhado-roxo do dedo grande do pé e a dor horrível dum ataque agudo de gota! Todos estes medicamentos devem ser tomados debaixo da supervisão do seu médico.

Quinto: beber muita água, para ajudar os rins a excretar mais o ácido úrico e as impurezas ou cinzas, para manter o ácido úrico dentro dos valores normais, isto é, entre 3 a 7 miligramas.

Entre mais de uma centena de tipos diferentes de reumatismo ou arterites, o reumatismo gotoso ou gota é o único que pode ser controlado e tratado. Hoje um exame anual inclui sempre uma análise do ácido úrico.

Não se deixe chegar à situação lamentável como podemos ver nas imagens seguintes que mostram a destruição das articulações devido à acumulação do ácido úrico nas articulações como podemos verificar nas radiografias.

 

 

 

As "agulhas do acido úrico" chegam até a destruir, de dentro para fora, a pele, causando úlceras.

 

 

 

 

 

 

Raios X mostrando a destruição da articulação do dedo grande do pé

 

Return